quarta-feira, 31 de maio de 2017

Porra, toda vez eu digo que vou voltar a escrever com frequência, mas nunca consigo cumprir. Não tem problema, o importante é que eu escreva, pois além de ser um passatempo, virou uma necessidade pessoal. 
Minha vida tem sido (finalmente) uma vida de adulto e com muita correria, mal tenho tido tempo pra viver meus dramas e ficar chorando. E isso é ótimo!
Minhas semanas tem se resumido em: faculdade, resumir, estudar, estagiar, fazer relatórios, trabalhar, ter uma péssima alimentação, dormir no máximo 5 horas, etc., mas eu sou grata por cada minuto em que pude me ocupar com essas tarefas.
Semana passada foi meu primeiro dia no estagio de observação e entrevista, passei três horas em uma instituição de acompanhamento psicológico infantil, onde tive contato com crianças já diagnosticadas, que por sinal são maravilhosas, e finalmente consegui achar uma motivação espetacular pra continuar seguindo esse caminho. É muito gratificante perceber que estamos no caminho certo, e que o que escolhemos é realmente aquilo que queremos mais que qualquer outra coisa. 
Tirando as provas que ainda estão por vir, minha vida acadêmica tem sido ótima. Eu sei realmente que estou no caminho certo, e espero que isso me resulte em uma vida profissional compensadora. 
Eu gostaria de fazer estagio todos os dias da semana, mas infelizmente esse primeiro serão poucos dias e logo vai terminar.
Ontem fiz a primeira prova do segundo bimestre, e espero que eu vá tão bem nas próximas quanto fui nessa.
Mudando de assunto, ainda tem acontecido algumas coisas bem estranhas e desafiadoras na minha vidinha, algumas até vale a pena contar, outras a gente prefere até esquecer. Eu juro (outra porra de vez) que logo volto pra contar. Logo as férias chegam e não vou ter muito o que fazer, se não conseguir um trabalho voluntário que estou tentando, então terei tempo de sobra pra escrever aqui.
Antes de ir eu só queria dar ênfase em um som que minha irmã me mostrou, e eu tô curtindo ele essa semana: Bilhete 2.0 - Rashid (pat. Lucas Carlos). Eu nem curto tanto assim Rashid, mas esse sonzin é uma delicia de frustração


"Eu te dei amor e um canto no meu coração
Mas todo esse encanto não muda a situação
Pensando o que que iria ser daqui pra frente
Não sei se perdemo tempo ou se o tempo se perdeu entre a gente.

Pior, que engraçado
Achei que ia ser pra sempre e vi que eu sempre tive enganado
Então faz favor não esquece seu orgulho
Qué ir embora pode ir, mas devolve meus bagulho"

Nenhum comentário:

Postar um comentário