segunda-feira, 3 de julho de 2017

 Comecei a perceber como é real o fato de que toda vez que conhecemos alguém, dizemos que: "É ELE!". E então parei pra lembrar de todos os rapazes por quem eu já me apaixonei e achei que seria o amor da minha vida.

 1°- O amor de infância. Nos conhecemos no ensino fundamental, aquela época em que a gente começa sair da infância para entrar na adolescência. Nunca nos beijamos, apenas trocávamos olhares e cartinhas. Na verdade nunca  nos beijamos porque eu morria de medo de beijar ele, e ele vivia zombando de mim por isso. Enfim, era um sentimento bom, e eu já sonhava acordada com tudo aquilo.
 2°- O primeiro namoradinho, o primeiro beijo. Naquela época eu nem sabia o que tava sentindo, só sabia que beijar era ótimo,  e tudo aquilo era lindo. Achei que tivesse encontrado meu futuro namorado. Até que ele inventou uma desculpa pra que não ficássemos mais (levei um pé logo aos 13), e eu fiquei muuuito na bad. Minha primeira bad! Hoje nós somos amigos, e toda essa história é muito engraçada pra todos ao nosso redor.
 3°- Dessa vez eu realmente me sentia apaixonada! Esse eu tinha total certeza que seria o amor da minha vida. Ele era lindo (aos meus olhos), estiloso, e popular. Ele sempre me levava pra casa depois da escola. Nós quase não trocávamos uma palavra se quer, mas eu sentia meu peito pulando pra fora do corpo quando estávamos juntos. Até que o tempo foi passando eu descobri que tudo nem era tão lindo assim. Porém, depois de um bom tempo ainda nos reencontramos algumas vezes, mas eu realmente percebi que não, ele passava longe de ser o amor da minha vida! Hoje nem conversamos mais, e da ultima vez que tivemos oportunidade eu fui bem direta sobre o quanto não queria nenhum tipo de reaproximação aushuahsuahs sim, isso foi bem engraçado.
 4°- Meu primeiro namorado, real e oficial. Na verdade não era pra namorarmos. Tudo aconteceu bem rápido, e eu não fazia ideia do que estava fazendo, e nem do que estava acontecendo. Eu gostava muito dele, pelo menos eu acha que gostava. Ainda não pensava nesses papos de futuro nem nada parecido, até porque já era barra conseguir pensar naquela situação do presente. Mas enfim, eu ainda tinha 15 anos, e não sabia me conduzir, e muito menos conduzir um relacionamento, então quando olho pra trás só consigo enxergar  um emaranhado de novos sentimentos e situações embaraçosas. É claro que não aconteceram só coisas ruins, também agradeço por tudo que aprendi nesse relacionamento. Compreendo e agradeço também por não ter dado certo, todo aquele sofrimento me fez muito mal no começo, e no final fez muito mal pra ele. Hoje até tentamos manter uma relação de amizade por conta de nossos amigos em comum, mas não acho que seja uma relação saudável de se manter.
 5º- Não foi uma das minhas maiores paixões, porem, eu gostava dele. O que tornou diferente é que ele gostava bem mais de mim, do que eu dele. É outra pessoa por quem eu sou realmente agradecida por ter me proporcionado momentos lindos e insubstituíveis. Lamento por tê-lo magoado, mas não ia conseguir fingir nenhum tipo de sentimento que eu realmente não sentisse. Ainda lembro de todas as nossas conversas, e de todos os momentos (bons e ruins) que vivemos. Acho uma pena não termos mais contato, mas acho que foi bem melhor assim. 
 6°- Meu segundo namoro real e oficial. Eu lembro que tudo aconteceu tão rápido, que dá pra considerar uma completa loucura tudo o que fizemos e vivemos em tão pouco tempo. Namoramos em casa e, em questão de pessoas, fi cm quem eu criei um maior vinculo afetivo, pois chegamos a reunir nossas famílias, passar natal e ano novo juntos, e até ter uma vidinha de casados por poucos dias. Acho que por conta de todo esse envolvimento afetivo e emocional, dessa vez eu tava realmente certa sobre o que queria do lado de alguém. Durante todo o tempo em que ficamos juntos, tudo foi extremamente maravilhoso, nossa relação era incrível! Porém, nem tudo é como a gente quer, e no ultimo mês de namoro tivemos nossas primeiras e já ultimas brigas. Confesso que em termos de relacionamento, esse com toda certeza foi o que eu realmente sofri durante o termino.
 7°- Depois do segundo namoro eu não queria saber de relacionamentos então, encontrei a pessoa perfeita pra viver isso comigo. Nunca envolvemos muito sentimento entre nós, mas todas as vezes em que estivemos juntos ele foi uma pessoa bem firmeza. Na verdade nossa relação era mais casual, e dar rolês. E nossas conversas (conversamos de vez em quando), são bem cabeças. Sempre conversamos sobre a vida, sobre trabalho, profissões, sobre dias difíceis e como leva-los. Ele é uma pessoa da qual eu gosto e considero bastante. É, alguns acabam virando boas amizades.
 8°- É mais fácil falar de situações antigas ao invés das recentes, mas enfim. Em questões de sentimentos esse foi o ultimo em que rolou alguma coisa. Acho que nada tão devastador e maravilhoso, mas era bom. Na verdade era muito bom, qualquer coisa que envolva sentimento pra mim, é algo bom. Foi uma relação aberta, e eu me surpreendi com isso, pois achava que nunca ia conseguir fazer isso, mesmo sendo por tão pouco tempo. Não tínhamos nenhum tipo de compromisso, e pela primeira vez eu não estava tão preocupada com isso. Ele me deixou muitas lembranças, e a maioria delas são maravilhosas. Não dá pra lembrar de alguns lugares, palavras e musicas sem lembrar dele. Tudo maravilhoso né? Claro que não!! Nunca conhecemos totalmente uma pessoa, e quando conhecemos alguma coisa, isso muda rapidamente. Eu compreendo perfeitamente que as pessoas mudam constantemente, é um processo natural do ser humano. Brigamos algumas vezes, e em todas elas, depois da raiva eu me sentia triste e preocupada. Mas devagar fui percebendo que nem tudo vale apena manter por perto (pode ser que eu também mude de ideia). Mas também agradeço por cada momento que passamos juntos, são insubstituíveis e, muito importantes.
 9°-  Essa pessoa não tem muitos motivos pra estar nessa lista, mas as poucas vezes em que estivemos juntos eu também agradeço. Apesar do pouquíssimo contato, é uma pessoa legal, que eu gostava muito de ter por perto. E eu super considero como uma "paixãozinha".
 10°- Essas paixões passageiras chegam a ser engraçadas. Nós nos conhecemos bem rápido, e se tratando de loucura, em todas as vezes que estivemos juntos ela estava junto de nós. Dessa vez eu já não me importava com quase nada. Mas por mais que eu siga o lema "só vamo", eu sempre dou um jeitinho de meter uma gota de sentimento em tudo, em um abraço ou carinho qualquer. E acho que posso ter desperdiçado mais algumas gotas com esse. Ah! Que mal faz?! Eu até faria isso outra vez. No final sempre ficam as lembranças dos melhores momentos.

 Com o tempo esse negocio de sentimento e pessoa perfeita vai sendo deixado de lado, e posso dizer que depois do meu segundo namoro eu passei a fazer mais a minha vontade, guardar o sentimento pra coisas realmente importantes, e principalmente saber parar quando quiser parar. O engraçado é olhar pra trás e ver que isso não acaba aqui. Ainda aparecerão pessoas e pessoas que vão entrar e talvez sair da minha vida sem intenções, sem que eu espere...

Nenhum comentário:

Postar um comentário