terça-feira, 27 de setembro de 2016

Bom dia Diário.
Hoje já é terça-feira. E eu me sinto meio ansiosa, quer dizer, ansiosa e com receio. 
Sabado eu fico mais velha (de idade cronológica), porém, tenho medo. Eu acabei criando certos bloqueios pra algumas (varias) coisas na vida. Uma dessas coisas é a questão de ficar mais velha.
Mas enfim, também me sinto ansiosa porque minha mãe me prometeu um bolo de girassol hahahaha e eu quase nem gostei de ideia.
Hoje eu acordei bem cedinho e fui caminhar outra vez, com aquela antiga amiga(e uma das melhores). Acordar cedo me deixa bem mais disposta pra encarar o restante do dia, principalmente quando é um dia de prova, como hoje.
Essas semanas de provas da faculdades são extremamente insuportáveis. Não pela matéria, mas sim pela pressão psicológica, e pelo desespero que nós alunos criamos.
Mudando um pouco de assunto, eu tenho me sentido bem esses dias. Recebi visitas que liberaram meus hormônios do prazer. Também estou me sentindo muito agradecida, pois Deus me deu uma capacidade maravilhosa, que é poder ajudar o próximo, e quanto mais eu faço isso, eu me sinto bem melhor. 
Vou voltar aqui depois do meu aniversário, pra contar como foi, e como vou estar me sentindo. 
Também estou ansiosa pra sentir algo diferente.
Beijos de Luz, até logo!

domingo, 18 de setembro de 2016

Boa noite diário. Sei que eu não deveria vir escrever só quando não estou bem, mas, é quando não me sinto bem que mais tenho vontade de escrever. É como se eu tivesse contando a alguém, e esse alguém me ouvisse com o maior acolhimento desse mundo.
Essa semana (quinta-feira, se não me engano), eu tive um dia muito saudavel e gostoso. Acordei logo cedinho e fui fazer caminhada com uma das minhas melhores amigas, e por isso me senti bem o dia todo. Acordar cedo dá muita disposição pra enfrentar o resto do dia. E encontrar uma boa amizade, é como tomar uma dose de amor e alegria. Só tenho a agradecer por esse dia.
É bom quando eu me sinto bem, é levemente maravilhoso.
Mas, hoje não foi tão bom quanto eu queria. Iriamos todos na casa do meu avô, mas logo cedo já comecei a me sentir triste, e resolvi ficar em casa. Fiquei em casa a tarde toda sozinha. Comecei meu trabalho de estátistica, cochilei, derramei algumas lágrimas, e me senti muito sozinha.
Eu tô sentindo falta da pessoa que me entristeceu. Eu não devia, mas só eu sei o quanto é triste. Sabe, por anos na minha infância eu pedia um pai diferente. Um dia eu consegui. Só que derepente é como se eu não tivesse mais. É muito doloroso não se sentir amada por alguém com um papel tão importante na nossa vida.
Hoje parece que havia um imã, que me puxava para baixo o dia todo. Minha vontade era passar o dia na cama. Mal senti fome.
Eu não quero me sentir assim.
Peço pra que Deus não saia do meu lado.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Ela seguia com os pés no chão e o coração nas mãos

Estou repostando esse texto porque achei ele maravilhoso, e porque ainda não achei outro texto que me descrevesse tão bem quanto esse, mesmo sendo curtinho e bem simples

"Ela era assim. Nada comum. Nada clichê. Quem olhava para ela não dava nada, mas ela valia muito. Era daquele tipo de mulher doidinha que vale cada sorriso. Pés no chão. Cabeça nas nuvens.

Ah, seus pés! Rebeldes como tinham de ser. Como previra o destino. Como ninguém gosta de ver. Pés andarilhos. Como uma boa moça não deve ser. Sabia desde cedo o estrago mental que um salto alto faz. Odiava. Seu poder estava na boca. Sua sedução lhe escorria no corpo todo. Não carecia de salto alto. Chinelos, sim.

Chinelos, ahh... esses pijamas dos pés. Esses mestres da sabedoria sempre nos aproximando do pó de cada dia. Uma moça especial assim pedia leveza no caminhar. Pisava em cacos de corações como quem pisasse em plumas.

Tão equilibrada que já havia decidido. Casaria com os pés no chão. Para não correr o risco de deslumbrar.

Noyuke Silva"